Primeiro discurso do Lula eleito presidente

Leia na integra o primeiro discurso do Lula eleito presidente:

[Luiz Inácio Lula da Silva]: Nós temos que recuperar a educação das nossas crianças, porque as famílias mais pobres perderam dois anos com a pandemia, e nós precisamos fazer um mutirão para tentar reeducar essas crianças para eles poderem chegar no nível que deveriam estar. Nós vamos voltar a fazer uma revolução, vai ter ProUni outra vez, vai ter FIES, vai ter Reuni, vai ter Pronatec, ou seja, vai ter! Ninguém venha me dizer que a gente não pode colocar dinheiro na educação, que é gasto. Investir em educação não é gasto, é investimento no futuro desse país!

[Aplausos, gritos]

[Luiz Inácio Lula da Silva]: Portanto, gente, eu quero agradecer a vocês, e não podia deixar de agradecer à minha cara-metade, a companheira Janja.

[Aplausos, gritos]

[Luiz Inácio Lula da Silva]: Eu? eu quase que fui enterrado vivo nesse país. Eu considero o momento que eu estou vivendo quase que uma ressurreição. Eu recuperei. Eles pensavam que tinham me matado, eles pensavam que tinham acabado com a minha vida política, eles me destruíram, me destruíram contando mentiras a meu respeito, e graças a Deus eu estou aqui firme e forte, e amando outra vez, e apaixonado pela minha mulher!

[Aplausos, gritos]

E é ela quem vai me dar força para enfrentar todos os obstáculos, e eu quero dizer para vocês que não há nada nesse mundo que vá me fazer esmorecer. Não há nada nesse mundo que vá proibir eu fazer o que tem que fazer por este país. Esse povo tem que voltar a sorrir, esse povo tem que voltar a comer, esse povo tem que voltar a trabalhar. E eu vou, outra vez, recuperar o Brasil diante do mundo. O Brasil não vai ser mais pária da sociedade. O Brasil vai ser protagonista internacional, porque a gente vai voltar a receber os presidentes e visitar outros presidentes. E eu devo tudo isso a vocês, à generosidade de vocês. Eu digo sempre que Deus foi muito generoso comigo, porque sair de onde eu saí, não morrer de fome até completar cinco anos de idade e viver e ser presidente duas vezes, e voltar, aos 77 anos, e ganhar outra vez, só pode ser obra de Deus, e do povo brasileiro! E por isso eu não posso faltar com vocês, não posso faltar com a minha fé; e prometo a vocês que eu vou fazer tudo o que eu puder, até mais do que eu puder, porque o que vocês me deram, como voto de confiança, exige de mim respeito a vocês, admiração a vocês; e quero dizer para vocês que nós vamos voltar a criar conferências nacionais. Todas as políticas públicas serão emanadas do povo para o povo, em conferências nacionais, municipais e estaduais! Por isso, gente, do fundo do meu coração, obrigado, meu Deus, e obrigado, povo brasileiro, pela glória que vocês me deram de vencer essas eleições, e, por isso, eu não posso faltar, e usei que eu vou contar com vocês, porque somente com a participação de vocês é que eu tenho certeza que nós vamos cumprir todas as tarefas que nós assumimos com vocês. Eu acho que o povo já chega de sofrer, não é possível um povo tão bondoso, um povo tão carinhoso, um povo que gosta de música, um povo que gosta de samba, um povo alegre, sofrer tanto por um governo fascista, que não gostava do povo, que não gostava de negro, que não gostava de indígena; e a minha resposta para os indígenas é que nós vamos criar o Ministério dos Povos Originários! Para que eles nunca mais sejam desrespeitados, para que eles nunca mais sejam tratados como cidadãos de segunda categoria; e nós vamos ter uma luta ferrenha contra o preconceito e o racismo. O racismo é uma doença que nós precisamos extirpar do nosso país! Não é possível! Deus nos fez iguais, e não é possível que alguém seja tratado como inferior só porque não tem a cor branca. Não há nenhum branco melhor do que nenhum negro, e não há nenhum negro melhor do que nenhum branco, nós somos iguais. O que nós precisamos é oportunidades iguais para a gente provar que todo mundo tem competência, que todo mundo tem sabedoria. Meus companheiros, na minha esquerda, da Avenida Paulista, um beijo no coração de cada homem, de cada mulher. Eu vou descansar uns dois dias, depois estarei pronto para estar no governo e para apresentar o que nós vamos fazer. Um beijo no coração, um beijo no coração. Se eu fosse transformado emouro, eu ainda não poderia pagar o que vocês fizeram hoje pela democracia brasileira, pela cultura e pela liberdade. Um abraço, gente! Um abraço! E até aproxima, se Deus quiser! Agora vou falar um pouco mais para o meio.

Veja, eu não posso falar, vou falar muito pouquinho. É o seguinte: eu vou falar um pouquinho aqui com vocês. Mas, primeiro, deixa eu passar aqui, para começar a cumprimentar o povo ali de trás. Porque o povo de trás também votou. Meus companheiros e companheiras! Um beijo no coração. Obrigado por tudo o que vocês fizeram. Essa vitória não é minha, não é do Alckmin, essa vitória é de vocês! Essa vitória é dos filhos de vocês, essa vitória é para os netos de vocês, porque é a vitória da democracia, da liberdade, é a vitória de reconquistar o direito de sorrir e de andar de cabeça erguida neste país. Obrigado, povo brasileiro. Obrigado, povo de São Paulo. Obrigado, Nordeste maravilhoso, que nos deu mais uma vitória. E aqui está a Daniela Mercury, representante do Nordeste. Um beijo no coração. Eu agora vou falar ali outra vez, me deram o microfone em quatro lugares para falar, eu não paro mais hoje de falar. Mais um discurso por aqui agora. Janja, venha cá. Janja… Por favor, Janja. Gente, eu quero, eu já falei das mulheres, eu não posso repetir. Eu não posso falar do Corinthians porque tem outras pessoas aqui. Mas me deixa falar uma coisa. Gente, eu falei que não ia falar, e já falei três vezes. Eu quero medes pedir de vocês, dizendo para vocês que um novo amanhã está surgindo. Não será uma tarefa fácil. Eu quero que vocês saibam que o governo será montado com a cara da minha vitória, com os partidos que participaram, comente da sociedade que pode contribuir. Vocês sabem que a gente vai ter que ter um governo para conversar com muita gente que está com raiva. Em qualquer lugar do mundo, o presidente derrotado já teria ligado pra mi reconhecendo a derrota, ele até agora não ligou. Não sei se vai ligar. E não seis vai reconhecer. De qualquer forma, eu quero que ele saiba o seguinte: elevo grande parte da minha vitória a coragem e a atitude das mulheres brasileiras, que é a maioria absoluta da população. E quero terminar a minha fala, dando um beijo no coração de cada uma de vocês, e dando um beijo na minha querida Janja. Não chegou a ser um beijo de novela, mas foi um beijo. Obrigado, gente. Que Deus abençoe vocês. Que Deus abençoe e vamos juntos, que nós vamos recuperar o direito de sorrir desse país. O direito de ser alegre, o direito de estudar, o direito de comer. E o direito de continuar sonhando. Quedes abençoe a cada um de vocês, a cada uma, e um beijo no coração. Um beijo no coração de todas vocês. Tchau, gente. Obrigado. E até o próximo encontro.

Portal C3 | Portal C3 Oficial | Comunicação de interesse público | ComCausa

João Oscar

João Oscar é militante de direitos humanos da Baixada e jornalista comunitário.