Rio de Janeiro

Heloisa é a 11º criança morta a tiros esse ano no Rio de Janeiro

Com o falecimento de Heloisa dos Santos Silva, uma menina de apenas 3 anos, ocorrido no último sábado, dia 16, o número de crianças mortas por disparos de arma de fogo somente este ano no Estado do Rio de Janeiro aumentou para 11, sendo a maioria vítima de balas perdidas. Essas informações são baseadas em dados da ONG Rio de Paz, que tem monitorado casos de crianças mortas por armas de fogo em operações policiais nas favelas do Rio desde 2007. Esse número já representa quase o triplo do registrado no ano anterior, quando foram contabilizados apenas quatro casos, de acordo com o levantamento da organização.

Heloísa foi atingida por um tiro no Arco Metropolitano do Rio de Janeiro, na região de Seropédica, Baixada Fluminense, durante uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na noite de quinta-feira, dia 7. A criança estava no carro da família quando foi alvejada, danos graves na coluna e na cabeça. Apesar de ter ficado hospitalizada por quase 10 dias, Heloísa não conseguiu sobreviver.

Familiares da vítima contaram que os agentes da PRF abriram fogo contra o veículo da família, atingindo Heloísa, seu pai, sua mãe, sua irmã de 8 anos e uma tia que estava no carro.

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria do Rio de Janeiro, solicita a prisão preventiva de três agentes da PRF envolvidos na morte da criança. O pedido de prisão foi apresentado no âmbito da investigação criminal que foi iniciada para apurar o ocorrido durante a abordagem da PRF. Até o momento, a Justiça Federal não emitiu uma decisão sobre esse pedido de prisão formulado pelo MPF.

No ano de 2023, o Instituto Fogo Cruzado registrou 19 crianças baleadas na Região Metropolitana do Rio, das quais 8 perderam suas vidas. Desde 2007, a ONG Rio de Paz documentou 102 vítimas com idades entre 0 e 14 anos, a maioria delas pertencentes a comunidades negras e de baixa renda.

| Editoria Virtuo Comunicação

| Projeto Comunicando ComCausa

| Portal C3 | Instagram C3 Oficial

João Oscar

João Oscar é militante de direitos humanos da Baixada e jornalista comunitário.