Não haverá novos cadastros para auxílio emergencial

O ministro da Cidadania, João Roma, admitiu que, á princípio, a pasta não deve abrir um novo prazo para cadastro de beneficiários que desejem receber a nova rodada do auxílio emergencial. De acordo com ele, “nem daria tempo” de abrir um novo cadastro, afinal, a ideia é começar a pagar a primeira parcela do benefício “o mais breve possível”, caso a PEC Emergencial seja aprovada nesta semana pelo Congresso.
O ministro informou que a nova rodada deve beneficiar cerca de 46 milhões de pessoas. O número é menor que os 56 milhões que receberam o auxílio em dezembro, quando a última parcela foi paga. Roma explica que o número de dezembro foi maior porque, naquela rodada, era permitido mais de um beneficiário por família. Agora, o auxílio será pago a apenas uma pessoa por família.
Segundo o ministério, esse novo número de beneficiários foi alcançado com base no cruzamento de informações do Cadastro Único de programas sociais e informações fornecidas por outros órgãos.
Em entrevista à CNN, o ministério disse que “ainda estuda como reabrir a possibilidade de contestações” para cadastro, “seja de forma automatizada” ou renovando acordo de cooperação com a Defensoria Pública da União.”
Segundo apurado com fontes do Palácio do Planalto, o ministro da Cidadania deve se reunir com o presidente Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (12) para fechar os detalhes da nova rodada do auxílio. A ideia é que Bolsonaro edite até a próxima semana a Medida Provisória com as regras do benefício, como os valores e número de parcela. Como se trata de uma MP, ela terá validade imediata por até 120 dias.
Thauan Mendes

Thauan Mendes

Graduado em letras, professor de inglês, jornalista social da ComCausa.