Nascimento Chico Xavier

Francisco Cândido Xavier, conhecido como Chico Xavier um dos mais importantes expoentes do Espiritismo, Seu legado ultrapassou as barreiras religiosas e hoje ele é reconhecido como o maior “líder espiritual” do Brasil. Escreveu mais de 450 livros, que até o ano de 2010 já haviam vendido mais de 50 milhões de exemplares. Ao publicar suas primeiras obras, passou a assinar com o nome paterno de Francisco Cândido Xavier. Esta mudança foi oficializada em abril de 1966, quando chegou da sua segunda viagem aos Estados Unidos. 

Também psicografou milhares cartas, nunca tendo cobrado algo do destinatário. Seus empregos foram vendedor, tecelão e datilógrafo, tendo vivido de forma modesta do salário que recebia do Ministério da Agricultura. 

sendo uma das personalidades mais admiradas e aclamadas no país, ressaltado principalmente por um forte altruísmo, recebeu várias homenagens e honrarias. Em 1981 e 1982 foi indicado ao prêmio Prêmio Nobel da Paz. 

Nascido Francisco de Paula Cândido, em homenagem ao santo do dia de seu nascimento, teve oito irmãos. Era parte de uma família de modestas condições, filho de João Cândido Xavier, um vendedor de bilhetes de loteria, e de Maria João de Deus, uma lavadeira católica, ambos analfabetos.  

O médium morreu aos 92 anos de idade, em decorrência de parada cardiorrespiratória, no dia 30 de junho do ano de 2002.[47] Conforme relatos de amigos e parentes próximos, Xavier dizia que iria desencarnar em um dia em que os brasileiros estivessem muito felizes e em que o país estivesse em festa, para assim o desencarne dele não causar tristeza. O então presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, emitiu nota sobre a morte do médium: “Grande líder espiritual e figura querida e admirada pelo Brasil inteiro, Chico Xavier deixou sua marca no coração de todos os brasileiros, que ao longo de décadas aprenderam a respeitar seu permanente compromisso com o bem estar do próximo”. 

Portal C3 | Comunicação de interesse público | ComCausa 

João Oscar

João Oscar é militante de direitos humanos da Baixada e jornalista comunitário.