Cartinhas para o Papai Noel

Iniciou nesta última quinta-feira, dia 17 de novembro, uma  das ações natalinas mais importantes do Brasil, cartinhas para o Papai Noel. As cartas já estão disponíveis nas agências participantes e no blog da campanha.

No Rio de Janeiro, foram contabilizados 7.000 cartas escritas por estudantes de até o º ano em escolas públicas e em situação de vulnerabilidade social, com aproximadamente 10 anos de idade que aguardam adoção.

Dentre os pedidos das crianças, os mais comuns são: carrinhos, material escolar, bola, boneca, etc. O evento iniciou na Escola Municipal de Desenvolvimento Infantil Maria Braz, no bairro do Lins.

O Papai Noel dos Correios esteve presente durante o evento na escola para receber as cartas das crianças locais.

Como participar?

Para participar é fácil, basta comparecer em um local que esteja participando da ação ou acessar o blog da campanha. Na página, basta clicar em “Adoção On-line” e seguir os passos. É preciso determinar o local de sua preferência para visualizar as cartas disponíveis de cada cidade ou município.

Presentes

A entrega dos presentes será feita presencialmente, o ponto de entrega será o mais próximo indicado no Blog oficial. Todos os presentes devem possuir um meio de identificação.

Como enviar uma carta?

As cartinhas devem ser feitas por manuscrito com letra legível. O envio das mesmas devem serem feitas digitalmente e enviadas digitalmente no Blog do evento.

Não serão aceitas as cartinhas que não possuem um meio de identificação, tais como: telefone, endereço e foto da criança. As cartas podem serem enviadas até o dia 02/12.

Para mais informações, acesse o Blog oficial da campanha: Blog do Noel

Serviço:

Campanha Papai Noel dos Correios no Estado do Rio de Janeiro

Data: 17/11/2022

Envio de cartas até: 02/12/2022

Adoções até: 15/12/2022 Entrega dos presentes até 15/12/2022

Fonte da matéria: Zm Notícias

Portal C3 | Portal C3 Oficial | Comunicação de interesse público | ComCausa

Emanoelle Cavalcanti

Acadêmica de psicologia, voluntária na Ong Médicos do Mundo e jornalista comunitária.